10 Dicas para um 2019 saudável !

casal-idosos16-800x420

Alterando pequenos detalhes no dia a dia, a qualidade de vida melhora muito. Não adianta tomar remédio para gastrite e viver estressado, por exemplo.

Ou querer controlar o colesterol e não se exercitar ou se alimentar corretamente.

Além disso, o sono é reflexo do cotidiano e seus distúrbios podem ser corrigidos sem medicamentos.

Abaixo Dr Daniel Benitti separou pra gente 10 dicas para ter um ano próspero.

Vamos conferir:

Beba água (o essencial!)

As pessoas sempre acham que bebem bastante água. Mas, na realidade, não tomam o suficiente.

Dois litros por dia pode melhorar a dor de cabeça e regular o intestino, por exemplo.

Mas verifique qual a quantidade que te atende!

Use escadas

Imagine quantos degraus durante o ano você poderá subir e descer?

O simples ato de subir um andar ou descer dois pelas escadas irá contribuir para a atividade física diária, fortalecer as pernas e beneficiar o meio ambiente ao economizar energia elétrica.

Ande 10 minutos por dia

Caminhar ajuda muito a saúde vascular, além de fortalecer as pernas e o coração. Para isso, não use o carro para curtas distâncias.

Ao final do ano… muitos kilômetros caminhados!

Vá para a cama meia hora antes

Descansar é fundamental para o bom funcionamento do corpo, o que significa dormir de 7 a 8 horas por noite. Não leve o celular, tablet ou computador para a cama, nem ligue a televisão.

Isso atrapalha a qualidade do sono.

Corte o refrigerante (aproveite o ano com coisas muito mais saudáveis)

Esse tipo de bebida, além de ter muito açúcar, também tem alto teor de sódio. Nada no refrigerante faz bem para sua saúde. Troque por água ou suco.

Mexa as pernas

Movimentar os membros inferiores por 10 segundos a cada hora ajuda bastante na circulação. O simples hábito de levantar para tomar um copo de água basta. Não fique muito tempo parado e sentado, pois isso pode dar trombose!

Pese-se semanalmente

Este simples hábito irá auxiliar no controle do peso. Ao ver pequenas mudanças você poderá ajustar a alimentação e não perceber que engordou apenas quando a calça não servir mais.

Coma um bom café da manhã

Essa é a principal refeição do dia, então valorize o café da manhã. Sua vó estava certa.

Consuma verduras e legumes

Coloque sempre uma porção de verdura e legumes nas refeições. Além de manter o equilíbrio intestinal, ajuda a controlar o peso e as triglicérides.

Substitua as comidas prontas

Embora sejam práticas e de fácil acesso, elas têm alto teor de sódio. Procure se alimentar com alimentos frescos e recém preparados.

Bem, acreditamos que estas dicas simples ao alcance de todos mudaram drasticamente para a melhor a qualidade de sua vida em 2019. Ano novo, vida nova? Que tal praticá-las de verdade?

Anúncios

Adaptar-se ao envelhecimento garante mais qualidade de vida na terceira idade

Idosos-1

Ter uma terceira idade feliz depende de vários fatores, mas principalmente da forma como o idoso se percebe nessa fase da vida e da sua capacidade de se adaptar as mudanças e transformações próprias do envelhecimento.

A capacidade de poder realizar as atividades cotidianas, desde as mais básicas como alimentar-se, tomar banho e andar, até as mais complexas como administrar as finanças e realizar atividades de lazer, são fundamentais para uma vida plena. Para isso o idoso precisa estar com suas plenas capacidades físicas, mentais e emocionais, a fim de poder cuidar da própria vida e dar sentido para a própria existência.

Para algumas pessoas há o medo da velhice, da solidão e o senso de sentir-se menos competente para realizar suas atividades cotidianas ou sua capacidade de tomar decisões e governar sua vida influencia na maneira como cada um enfrenta e vive o envelhecimento.

Idosos que não conseguem se adaptar a essas mudanças acabam se isolando socialmente diminuindo a interação com outras pessoas, o que pode levar a perda da satisfação com a própria vida, do prazer e da motivação, comprometendo suas capacidades físicas, intelectuais e emocionais.

Para os indivíduos que apresentam alguma doença crônica, como diabetes, colesterol alto, artrite reumatoide, hipertensão, adaptar-se ao processo de envelhecer juntamente com essas doenças pode ser mais trabalhoso, mas não impossível, além de ajudar a diminuir o impacto da doença na qualidade de vida e evitar maiores comprometimentos.

É necessário reavaliar as possibilidades, redefinir metas e alterar estratégias de enfrentamento do ambiente e dos próprios sentimentos para poder se adaptar as novas demandas dessa fase da vida e vive-la da melhor maneira possível, mesmo que acompanhada de doenças crônicas e limitações físicas.

Com o aumento geral da população idosa, torna-se importante garantir aos idosos não apenas maior longevidade, mas felicidade e satisfação com a vida. Pesquisas são realizadas no mundo todo com o objetivo descrever os fatores associados ao grau de satisfação com a vida entre a população de idosos.

Um estudo recente publicado, em janeiro de 2014, no Canadian Medical Association Journal pesquisou a relação entre o prazer com a vida e o declínio da função física em idades mais avançadas. Participaram 3199 homens e mulheres com idade acima de 60 anos.

Nesta pesquisa foi verificado que pessoas que tem mais satisfação com a vida, ou seja, que expressam sentimentos de felicidade e prazer vivem até 8 anos mais e em condições físicas melhores do que as pessoas que não estão satisfeitas com suas vidas.

Em 2012, um estudo realizado por pesquisadores da University College London (UCL), no Reino Unido, conclui que os idosos que gostam da vida tendem a viver mais e com uma condição física melhor do que os indivíduos infelizes. Os pesquisadores avaliaram até que ponto eles tinham dificuldade em realizar atividades diárias, como tomar banho ou se vestir, o estudo descobriu que as pessoas que tinham um baixo senso de bem-estar foram três vezes mais propensas a ter problemas em realizar atividades diárias.

O estudo mostra que pessoas em idades avançadas e que estão felizes e aproveitam a vida mostram declínios mais lentos na capacidade física. Ou seja, conseguir adaptar-se as mudanças ao longo do processo de envelhecimento e encontrar formas alternativas de aproveitar a vida e ficar feliz com o que realiza contribui para uma vida mais longa e saudável.

Fonte: Mariela Besse, terapeuta ocupacional do Instituto Longevità

Por uma terceira idade ativa

Cuidador-de-Idosos-6-1024x576

“Envelhecer bem” tornou-se assunto pessoal de teor médico-psicológico, cujo fundamento é a aceitação de um inexorável declínio. “Aprenda a envelhecer bem”, diz, por exemplo, o título da revista Psychologies, que traz ainda seis dicas de como chegar na terceira idade “em forma”:

1) Cuide do corpo (coma melhor, não fume, faça um pouco de exercício);

2) Mantenha a boa aparência (com ótimas tecnologias anti-idade, de massagem a medicina estética);

3) Leia diversos livros (a leitura ajuda a manter a mente em funcionamento além do prazer que as histórias proporcionam);

4) Atravesse a menopausa sem crises (entenda o que é e como contorná-la de forma prazerosa);

5) Reúna os amigos (“nunca é tarde para manter as verdadeiras amizades com com isso manter uma vida social saudável)

6) Inspire-se em pessoas mais velhas (mantenha uma rede de relações incentivadoras para os que estão chegando nessa fase, seu exemplo possa ser de grande inspiração para os outros)

Fonte: revista Psychologies

 

Terceira Idade cheia de estilo

Como dizia Coco Chanel “A moda passa, o estilo fica”.

A essência da terceira idade é a sabedoria de vida, a experiência e a vantagem de ter passado por várias tendências de moda e estilo.

Muitos já observaram que a moda vai e vêm, se repete, se renova são releituras sendo feitas em cima de referências que já foram produzidas há séculos.

Com certeza muitas de vocês tem ou já tiveram no armário peças que foram e saíram de moda. O legal é que algumas dessas peças nunca saem de moda. Usá-las de forma diferente é o segredo de ter um estilo exclusivo.

O estilo é uma forma de representar o que você é. Quando nos descobrimos interiormente conseguimos transparecer na roupa em que usamos nossa identidade.

Aqui vão algumas dicas de looks que podem ser encontrados em qualquer guarda-roupa e usados de uma forma criativa, elegante e despojada.

Inspirem-se!

Saia Reta: Uma peça elegante e versátil. Escolha as que tenham um ótimo caimento. Uma das exigências na escolha de roupas para Terceira Idade é o conforto. Nesta composição você pode colocar o acessório que tenha a ver com o seu gosto pessoal.

moda-1

O bom e velho vestidinho tubinho: Esta peça é super coringa. Toda senhora deve ter um no seu armário. Ele vai desde o clássico até o despojado. Coloque todo o seu charme e estilo. Escolha modelos que tenham em sua composição elastano eles trazem conforto.

Calças jeans e calças de alfaiataria.  As calças jeans são super versáteis e combinam com tudo. Escolha as que tenham na sua composição elastano e que fiquem confortáveis. Já as de alfaiataria, são clássicas e elegantes, com uma no armário você estará pronta para um evento que seja mais requintado.

Capturar

A partir dessas peças você pode criar e recriar novas composições agregando acessórios.

Escolha sempre peças que a valorizem e que a definem. Lembrem-se sempre que a terceira idade tem em suas mãos a chave da sabedoria. Sendo assim, saiba que estar na moda é uma questão de estilo.

Fonte: A Terceira Idade

Adaptar-se ao envelhecimento garante mais qualidade de vida na terceira idade

Envelhecer-com-qualidade-de-vida

Ter uma terceira idade feliz depende de vários fatores, mas principalmente da forma como o idoso se percebe nessa fase da vida e da sua capacidade de se adaptar as mudanças e transformações próprias do envelhecimento.

A capacidade de poder realizar as atividades cotidianas, desde as mais básicas como alimentar-se, tomar banho e andar, até as mais complexas como administrar as finanças e realizar atividades de lazer, são fundamentais para uma vida plena. Para isso o idoso precisa estar com suas plenas capacidades físicas, mentais e emocionais, a fim de poder cuidar da própria vida e dar sentido para a própria existência.

Para algumas pessoas há o medo da velhice, da solidão e o senso de sentir-se menos competente para realizar suas atividades cotidianas ou sua capacidade de tomar decisões e governar sua vida influencia na maneira como cada um enfrenta e vive o envelhecimento.

Idosos que não conseguem se adaptar a essas mudanças acabam se isolando socialmente diminuindo a interação com outras pessoas, o que pode levar a perda da satisfação com a própria vida, do prazer e da motivação, comprometendo suas capacidades físicas, intelectuais e emocionais.

A capacidade de poder realizar as atividades cotidianas, desde as mais básicas como alimentar-se, tomar banho e andar, até as mais complexas como administrar as finanças e realizar atividades de lazer, são fundamentais para uma vida plena. Para isso o idoso precisa estar com suas plenas capacidades físicas, mentais e emocionais, a fim de poder cuidar da própria vida e dar sentido para a própria existência.

Para algumas pessoas há o medo da velhice, da solidão e o senso de sentir-se menos competente para realizar suas atividades cotidianas ou sua capacidade de tomar decisões e governar sua vida influencia na maneira como cada um enfrenta e vive o envelhecimento.

Idosos que não conseguem se adaptar a essas mudanças acabam se isolando socialmente diminuindo a interação com outras pessoas, o que pode levar a perda da satisfação com a própria vida, do prazer e da motivação, comprometendo suas capacidades físicas, intelectuais e emocionais.

É necessário reavaliar as possibilidades, redefinir metas e alterar estratégias de enfrentamento do ambiente e dos próprios sentimentos para poder se adaptar as novas demandas dessa fase da vida e vive-la da melhor maneira possível, mesmo que acompanhada de doenças crônicas e limitações físicas.

Com o aumento geral da população idosa, torna-se importante garantir aos idosos não apenas maior longevidade, mas felicidade e satisfação com a vida. Pesquisas são realizadas no mundo todo com o objetivo descrever os fatores associados ao grau de satisfação com a vida entre a população de idosos.

Um estudo recente publicado, em janeiro de 2014, no Canadian Medical Association Journal pesquisou a relação entre o prazer com a vida e o declínio da função física em idades mais avançadas. Participaram 3199 homens e mulheres com idade acima de 60 anos.

Nesta pesquisa foi verificado que pessoas que tem mais satisfação com a vida, ou seja, que expressam sentimentos de felicidade e prazer vivem até 8 anos mais e em condições físicas melhores do que as pessoas que não estão satisfeitas com suas vidas.

Em 2012, um estudo realizado por pesquisadores da University College London (UCL), no Reino Unido, conclui que os idosos que gostam da vida tendem a viver mais e com uma condição física melhor do que os indivíduos infelizes. Os pesquisadores avaliaram até que ponto eles tinham dificuldade em realizar atividades diárias, como tomar banho ou se vestir, o estudo descobriu que as pessoas que tinham um baixo senso de bem-estar foram três vezes mais propensas a ter problemas em realizar atividades diárias.

Fonte: Minha Vida 

É POSSÍVEL ENVELHECER COM QUALIDADE?

Cuidador-de-Idosos-6-1024x576

É possível envelhecer com qualidade de vida? Sim, é possível! E não precisamos nos esforçar muito para que isso aconteça. A qualidade de vida é um termo multidimensional, que é quantificado de forma subjetiva, cada um a qualifica de acordo com aquilo que acha mais relevante para o seu bem-estar.

Para que se obtenha qualidade de vida na terceira idade, é importante considerar diversos fatores: bem-estar físico e psicológico, nível de independência, relações sociais, ambiente de trabalho e lazer, religiosidade, entre outros. De modo geral envelhecer com qualidade significa estar satisfeito com a vida atual e ter expectativas positivas em relação ao futuro.

Em vista disso, uma boa qualidade de vida é possível também na vida madura, mas é válido lembrar que quem mantém um padrão de boa qualidade de vida durante o ciclo de vida tem uma probabilidade maior de perceber uma qualidade de vida melhor na terceira idade.

Estudos consideram ser comum uma queda na percepção de qualidade de vida após a aposentadoria, por conta da interrupção das atividades físicas, mentais e intelectuais. Desta forma, é necessário que exista uma organização para os anos da velhice, quando ainda se está em plena atividade, a fim de reduzir o impacto causado pela inatividade.

É fundamental mantermos um equilíbrio entre as potencialidades e as limitações, que são inevitáveis do processo de envelhecimento. É comum os idosos serem acometidos por doenças crônicas específicas da idade, porém a qualidade de vida pode ser mantida com criatividade e lazer, sem dispensar os cuidados com a saúde.

O que é sabedoria?

É importante lembrar que quem entra na terceira idade possui necessidades fundamentalmente iguais a de outros grupos etários, tais como: segurança física, financeira e emocional. O afeto, simpatia, amor e reconhecimento social são básicos para a percepção da autoestima. Desta forma, a necessidade de amor e afeto deve ser considerada como indicador de qualidade de vida.

O principal fator determinante de um alto nível de qualidade de vida parece ser um convívio social positivo, próximo e estável. O lazer associado a atividades físicas e mentais estão diretamente relacionadas ao favorecimento da qualidade de vida. Além disso, o engajamento em atividades intelectuais é apontado como fator de prevenção contra declínios cognitivos da idade.

Todos podem envelhecer com qualidade, a receita é simples: cultive seus amigos e familiares, faça atividade física regularmente, cuide da sua saúde, estimule sua memória e preze sempre por sua felicidade!

Texto por: Mariana Almeida – Gerontóloga pela UFSCar, Vice Diretora Financeira da Associação Brasileira de Gerontologia.

Algumas atitudes para ser mais feliz

casal-idosos16-800x420

Encontrar a felicidade nas mais diversas áreas da vida é o objetivo de muitas pessoas, afinal, ela é o combustível que nos move no dia a dia. Entre as principais áreas estão a profissional, sentimental e, claro a familiar. Sabemos que não existe uma fórmula exata para encontrar a felicidade e que ela nem sempre está relacionada com a aquisição de bens materiais. Porém, algumas decisões  diárias nos ajudam a ser mais feliz.

1. Pense positivamente: pessoas positivas são mais racionais. Além disso, sempre veem um lado bom em algo ou alguém. Para sempre pensar positivamente, especialistas recomendam que, ao passar por uma situação turbulenta, feche os olhos e sorria. Assim, a vida fica mais leve.

2. Seja você mesmo: é importante nunca esconder quem você é ou o que você pensa, pois acaba provocando um desgaste emocional. Por consequência, esse desgaste  traz  sentimentos contrários à felicidade, como tristeza e angústia. O ideal é sempre expor os sentimentos quando necessários e evitar fazer comparações com outras pessoas que são mais espontâneas ou naturais.

3. Faça o bem: independente de ser para pessoas próximas ou desconhecidas, pequenos gestos de generosidade com alguém melhora não apenas o seu dia, mas o daquela pessoa, na qual você ajudou. Além disso, atitudes de bondade trazem felicidade, sentimento de conforto e motivação. Mostre sua generosidade também ao agradecer alguém por algo que ela te fez ou ao elogiar outra pessoa por algo que ela conquistou.

4. Fuja das preocupações: cada coisa no seu devido tempo. Sendo assim, evite ficar preocupado com algo que não acontecerá brevemente. Outra dica é não se sentir culpado por algo que não deu certo. Muitas vezes a preocupação em tentar conquistar um objetivo que anteriormente não foi alcançado pode causar estresse, irritação e desmotivação. Tire um tempo para refletir e descansar a mente.

5. Passe mais tempo com quem ama: seja com a família ou com os amigos, é sempre importante dedicar um pouco de tempo para aquelas pessoas que gostamos que estejam do nosso lado. Boas relações podem trazer mais alegria ao seu dia e ainda diminuem o estresse.

Fonte: aterceiraidadenanet.com